• Dra. Elba Ássima

Quase metade dos sobreviventes do último coronavírus teve transtornos mentais

Depressão, ansiedade e estresse pós-traumático podem ser consequências de sofrimento psíquico durante crises de saúde pública


No período de 2002 e 2003, um coronavírus provocou pânico no mundo e quase 800 mortes pela Sars – Síndrome respiratória aguda grave, quatro anos depois, parte dos sobreviventes desenvolveram algum transtorno mental. A maioria deles manifestaram transtorno de estresse pós-traumático e outros depressão, o medo é comum em momentos de crise em saúde pública.


Ainda há poucos estudos sobre o programa desenvolvido pelo governo chinês para acompanhamento e tratamento psicossocial de seus cidadãos, mas, por outro lado há um plano de “intervenção emergencial em crises psicológicas” para profissionais de saúde na China, fruto do aprendizado da epidemia da Sars. A cartilha prevê o acompanhamento psicológico de grupos de risco entre os infectados e familiares para a prevenção de comportamentos impulsivos e tendências suicidas, por exemplo.


Pessoas infectadas ou com suspeita de infecção podem manifestar, medo das consequências de portar a doença, e as que estão em quarentena podem apresentar tédio à solidão. Todos esses sentimentos e sintomas de sofrimento psíquico podem levar a transtornos de ansiedade, ataques de pânico, depressão, agitação psicomotora, delírio e suicídio.


Os profissionais de saúde também podem sofrer esses transtornos psicológicos, tais como estresse pós-traumático, depressão, ansiedade, medo e frustação devido a possibilidade e o medo de serem contaminados e transmitirem para seus familiares ou outras pessoas. A epidemia atual já superou a Sars em todos os níveis.


O medo da epidemia pode gerar a sensação de que ela é ainda maior, as pessoas nem sempre estão preparadas para compreendê-las, o medo está ligado à fragilidade de lidar com a informação. Além do sofrimento psicológico de pessoas já fragilizadas e/ou com quadros de transtornos mentais podem sofrer neste momento com mais intensidade.


O coronavírus causa infecção respiratória, os tipos mais comuns do vírus causam doenças respiratórias leves, como resfriados, mas outras variantes podem causar infecções graves, como a Sars.


Como se transmite

Pelo ar

Toque

Contato com objetos que tiveram contato com boca, nariz ou olhos

Sintomas

Coriza

Dor de garganta

Febre

Variantes graves

Variações mais graves dos coronavírus podem causar pneumonia e levar à morte. Nos últimos 20 anos, dois surtos mundiais ligados aos coronavírus causaram mais de mil mortes

10 visualizações0 comentário

©  2019 - 2020 por Dra. Elba Sarkis | Todos direitos reservados P&B Marketing e Designer

Rua Napoleão Mazzali, 61 – Jardim Campos Salles - Jundiaí

Tel: (11) 95670-7163

  • White Facebook Icon
  • Branca Ícone Instagram